Festa Brasileira: Fantasia Feita à Mão

Sala Festa Feita a¦Ç Ma¦âo (cortejos)_Reisado - Manuel Eudo¦ücio_GUILHERME LIMA

O Centro SEBRAE de Referência do Artesanato Brasileiro (CRAB) inaugura no próximo dia 20 de junho para convidados, e no dia seguinte para o público, a exposição inédita e interativa “Festa Brasileira: Fantasia Feita à Mão”, com expografia de Jair de Souza e curadoria de Raul Lody e Leonel Kaz.

A mostra ocupará todo o primeiro andar do CRAB, em nove ambientes distintos que irão envolver o público em toda a magia, força criativa e inventividade popular na criação de objetos, adereços, máscaras, vestimentas e instrumentos musicais para as grandes festas brasileiras.

As peças reunidas pelos curadores, com apoio do SEBRAE junto a associações de artesãos, foram produzidas especialmente para celebrações populares como a Congada, em Minas Gerais, as Cavalhadas, no Centro-Oeste, as Folias de Reis fluminenses, os Reisados, em Alagoas, o Maracatu Rural, em Pernambuco, o Bumba Meu Boi, no Maranhão, o Boi de Mamão, em Santa Catarina, o Carnaval, em várias partes do país, festejos rituais indígenas da região amazônica, entre outras manifestações.

Os curadores selecionaram ainda importantes conjuntos de pequenas esculturas de arte popular, que representam festas brasileiras, pertencentes a duas das mais respeitadas coleções privadas deste segmento: a de João Maurício Araújo Pinho e Irapoan Cavalcanti de Lyra.

Os curadores explicam que dois princípios percorrem a exposição: “o da festa e o da mão que a inventa”. “Por trás da exuberância visual das festas, de seus sons, ritmos e cores, estão as mãos do artesão”, observam.

“Festa Brasileira: Fantasia Feita à Mão” celebra “o gesto amoroso de mãos que desejam preencher o mundo de beleza – em geral, mãos anônimas, devotadas e sonhadoras”. Jair de Souza, Raul Lody e Leonel Kaz comentam que o Brasil “cultuou a liberdade das formas, a exuberância das cores fortes, o gosto da fantasia” devido ao encontro “de uma sensibilidade barroca europeia com as matrizes indígenas e africanas, essas últimas repletas de ritmos, máscaras e pinturas corporais”.

“Dessa mistura entre o europeu, o ameríndio e o negro africano surgiram máscaras, indumentárias, coreografias e sonoridades que fazem as festas populares brasileiras”. “Essa criatividade não nasce de um indivíduo isolado, mas da coletividade. É um apaixonado triunfo de todos. É a força da tradição oral, passada de geração a geração. O que a exposição Festa Brasileira: Fantasia Feita à Mão celebra é esse raro momento de pertencimento coletivo a que nos entregamos”, destacam.

Heloisa Menezes, diretora técnica do SEBRAE, observa que a exposição coloca em foco “as diferentes formas de expressão que unem o homem à sua imaginação e, por meio de suas festas, as transformam no mais genuíno artesanato, criando objetos de grande força dramática, autênticos representantes da cultura e da criatividade brasileira”.

A mostra vai até o dia 28 de outubro. O CRAB – Centro SEBRAE de Referência do Artesanato Brasileiro fica na Praça Tiradentes, 69. Funcionamento: de terça a sábado, das 10h às 17h. Entrada gratuita.

CRAB SEBRAE e IED mapeiam e desenvolvem produção artesanal do Rio

13095880_530032147181432_4088476874836531371_nO Centro SEBRAE de Referência do Artesanato Brasileiro (CRAB) e o Istituto Europeo di Design (IED Brasil) desenvolvem o projeto inédito Craft Design Rio, para mapear e qualificar a produção artesanal do Estado do Rio de Janeiro.

O projeto Craft Design Rio tem como público alvo um conjunto de 60 artesãos selecionados pelo centro de pesquisa e inovação do IED e o CRAB a partir dos trabalhos inscritos no Prêmio Top 100 SEBRAE de Artesanato 2016.

Este grupo receberá um processo de formação em inovação e design intensivo, desenvolvido sob medida para os desafios da produção local, durante os meses de maio e junho, no espaço de laboratórios IED Lab do Rio, na Urca.

O Craft Design Rio é um projeto de design estratégico voltado para o reconhecimento, incentivo e identificação de novas oportunidades de valor para a produção artesanal contemporânea, de modo a reforçar a combinação de saberes, técnicas e tecnologias já praticadas pelos artesãos selecionados.

O artesanato contemporâneo do Rioé, em grande parte, conceitual, aproximando-se bastante do design, embora ainda haja uma grande presença de trabalhos manuais no seu conjunto.
Esta tipologia emergente da produção artesanal reúne atributos característicos do universo do design, expressos através de uma identidade conceitual estabelecida, preocupação com o posicionamento e marca, soluções técnicas e produtivas que possibilitam aumento de produtividade, resultando em produtos que tendem à inovação, e podem proporcionar uma melhor identificação de oportunidades de negócio para o futuro.

“O projeto revela novas oportunidades criativas de impacto e inovação social, comprovando que a produção local pode ocupar novos espaços de mercado através do trabalho de profissionais artesãos que dominam cada vez mais a linguagem projetual híbrida entre o artesanato e o design”, diz Fabiano Pereira, diretor de novos negócios do IED. Ele trabalha na concepção deste projeto com a designer paulistana Adriana Fernandes, que tem longa experiência em design de campo, operando e desenvolvendo projetos com artesãos.

De acordo com o IBGE, a produção manual, com valor simbólico e identidade cultural, que se convencionou chamar de artesanato, é uma opção de renda para 8,5 milhões de pessoas no Brasil, que geram um total de R$ 28 bilhões por ano. A produção artesanal corresponde, portanto, a 2,8% do PIB nacional, e cresce ano a ano, embora em ritmo lento.

Esse segmento da economia, do ofício manual de quem transforma matéria-prima em produtos acabados e que muitas vezes resvala o universo das artes plásticas, começa a ser investigado pelo Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro (CRAB) em parceria com o Istituto Europeo di Design (IED). O projeto tem como desafio identificar elementos e oportunidades de valor a partir da história e da narrativa dos artesãos, para determinar diferenciais competitivos no mercado nacional e global.

Enquanto em muitos países as grandes capacidades industriais se originam nas tradições manuais, no Brasil a indústria se formou sobre referências externas, heranças da colonização, prejudicando a valorização da mão de obra artesanal.

A pouca relevância atribuída às práticas artesanais, e consequente desinteresse por parte do mercado, leva o artesanato a uma concentração social nas classes mais pobres. Artesãos inventivos, que detêm importantes técnicas, vivem próximos à linha da pobreza, e muitas vezes dividem essa atividade com outras que garantam de fato seu sustento.

Tanto o CRAB quanto o IED acreditam que o design pode recolocar o artesanato e valorizar a sua produção, destacando a singularidade de cada um desses artistas, e buscando novos formatos para que o produto seja mais bem recebido.

O SEBRAE vem promovendo a aproximação entre design e artesanato desde meados da década de 1980, e mais recentemente esta interação ganhou um desenvolvimento expressivo, em todo o país, com a valorização de trabalhos locais. É neste contexto que se insere a parceria com o IED, de modo a fortalecer o objetivo de gerar renda para esses artesãos, e trazer visibilidade a seus produtos, gerando resultados mais duradouros, mantendo e valorização a produção artesanal.

Inovação nos projetos do SENAI

Os alunos que participaram do desafio Manda Pro SENAI desenvolveram, a partir de necessidades reais da indústria, exibiram seus trabalhos na Mostra SENAI Projetos Integradores. A ação foi destaque em um evento do Sistema FIRJAN focado em inovação.

Quer saber mais sobre os projetos? Acessa aqui: www.firjan.com.br/mandaprosenai

15220035_1568737683141821_8017797482101215843_n

15179051_1568737559808500_23000663856782794_n

 

 

 

 

 

 

Em outra ação, o SENAI FabLab IST Automação e Simulação abriu as portas para visitantes externos e alunos da Escola SESI e de outros SENAI, em comemoração aos seus 2 anos de vida. Os participantes tiveram a oportunidade de montar protótipos e aprender sobre programas e equipamentos do FabLab. Veja como foi a visita e conheça um pouco mais como é um FabLab por dentro.

Para outras informações sobre o SENAI FabLab, acesse www.senaifablab.com.br.

15178314_1563655973649992_6975204698561124609_n

15178115_1563655906983332_1518159939739329821_n

15170847_1563655853650004_9190917100336525202_n

Debate: Fronteiras entre artesanato, arte e design

A ArtRio, IDA e Sebrae convidam para uma mesa redonda no dia 7 de dezembro, às 18h30, sobre as interseções entre artesanato, arte popular, arte contemporânea e design no CRAB – Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro.

O debate “Fronteiras: Artesanato, Arte Popular, Arte Contemporânea e Design” vai reunir Angela Mascelani (Pesquisadora, escritora e diretora do Museu Casa do Pontal, que possui o maior acervo de arte popular do Brasil), Evandro Salles (novo curador do Museu de Arte do Rio), Tulio Mariante (Curador de Design do MAM-RJ) e a crítica de arte e curadora Luisa Duarte na mediação.

A conversa será seguida de um coquetel para os participantes. Confirme sua participação pelo e-mail contato@artrio.art.br, com Assunto: Mesa Redonda.

O CRAB – Centro de Referência ao Artesanato Brasileiro fica na Praça Tiradentes, 67 – Centro.
Evento sujeito à lotação

Giro SENAI Móveis apresenta orientações e obrigações sobre Gestão Ambiental na produção de Mobiliário

J-248-16-Giro-Móveis_header-eventos

 

O Sistema FIRJAN, por intermédio do SENAI, promove o Giro SENAI Móveis, ciclo de palestras com tendências e informações técnicas para o setor de Mobiliário. Nesta edição, o Giro SENAI Móveis traz conteúdo exclusivo sobre Gestão Ambiental para o setor moveleiro, incluindo informações técnicas sobre Licenciamento Ambiental para Marcenarias e Indústrias Moveleiras, obrigações para compra de Madeira Maciça, orientações para aproveitamento de Insumos e descarte de Resíduos, entre outros.

Na ocasião será lançado Guia de Gestão Ambiental para Marcenarias e Indústrias de Mobiliário do Rio de Janeiro. Para garantir sua vaga, se inscreva pelo Portal FIRJAN: http://www.firjan.com.br/eventos/giro-moveis-tendencias- tecnologicas.htm. Ou entre em contato por telefone: 0800 0231 231. O evento é aberto e as vagas são limitadas. Confira a Programação completa:

Rio de Janeiro – 01/12/2016 17h :: dentro do Fórum IEL de Mobiliário
Sede Centro do Sistema FIRJAN (apoio SIM RIO)
Av. Graça Aranha, 01 – 13º andar – Centro – Rio de Janeiro
Obs.: Não será permitido o acesso de pessoas vestidas com bermuda, short ou camiseta sem manga.

Petrópolis – 07/12/2016 17h
Representação Regional FIRJAN/CIRJ Região Serrana (apoio SINDMARCENARIA)
Av. Dom Pedro I, 579 – Centro – Petrópolis

Duque de Caxias – 08/12/2016 17h
Representação Regional FIRJAN/CIRJ Baixada Fluminense – Área II (apoio SINCOCIMO)
Rua Artur Neiva, 100 – Circular – Duque de Caxias

Volta Redonda – 06/12 17h
Representação Regional FIRJAN/CIRJ Sul Fluminense (apoio SINDUSCON SF)
Rua 156, nº 220 – Laranjal – Volta Redonda

Campos dos Goytacazes – 15/12/2016 17h
Representação Regional FIRJAN/CIRJ Norte Fluminense (apoio SINDIMBO Campos)
Rua Bruno de Azevedo, 37 – Jardim Maria Queiroz – Campos dos Goytacazes

Niterói – 18/01/2017 17h
Representação Regional FIRJAN/CIRJ Leste Fluminense (apoio SINDICEM)
Rua Visconde de Uruguai, 535 – 11º andar – Centro – Niterói

Cabo Frio – 19/01/2017 17h
Hotel Best Western Paradiso del Sol – sala de eventos (apoio SINDICEM)
R. Professor Domingos Ribeiro, 103 – Passagem – Cabo Frio

Nova Friburgo – 26/01/2017 17h
SENAI Espaço da Moda (apoio SINDUSCON CN)
Av. Conselheiro Julius Arp, 85 – auditório – Centro – Nova Friburgo

Audiovisual e tecnologia são temas de evento gratuito no Rio de Janeiro

SESI Cultura Digital vai contar com palestras, workshops, oficinas e o desenvolvimento de uma Hackathon

J-477-16 posts organicos 842x8423Entre os dias 11 e 15 de outubro, será realizada a terceira edição do SESI Cultura Digital, voltado para o público apaixonado pelo mundo do audiovisual e por tecnologia.

Com ações no Teatro SESI Centro e no SENAI Laranjeiras, o evento vai contar com uma programação totalmente gratuita, incluindo palestras, workshops e oficinas com renomados profissionais do mercado. Também será desenvolvida uma Hackathon, competição que vai distribuir prêmios em dinheiro para os vencedores.

No dia 11, a partir das 19h30, a abertura do SESI Cultura Digital, no Teatro SESI Centro, vai contar com uma apresentação de vídeo mapping do artista Paulinho Sacramento. Através de um software, ele vai criar projeções que criam dimensões extras e ilusões ópticas. A noite também vai ter espaço para uma palestra, de Ricardo Castanheira, sobre a contribuição econômica do setor audiovisual no Brasil.

Nos dia 13 e 14, a partir das 9h, o Teatro SESI Centro vai ser o espaço de diversas palestras e debates sobre a história do audiovisual no Brasil, seu panorama atual e o futuro do setor, que está em constante transformação. Oportunidades de negócios na era digital também estarão entre os temas dos encontros, assim como cases de grandes empresas, como Coca-Cola, Icatu Seguros e Universal Music. Além disso, o público ainda vai poder conferir uma exposição com diversas tecnologias, como holoprisma e uma tela multitouch com games interativos.

Profissionais de duas grandes produtoras brasileiras, Conspiração Filmes e O2 Filmes, vão ministrar workshops para o público do evento, um no dia 13 e outro no dia 14, às 16h30. Os interessados vão ter a oportunidade de participar de ações práticas de produção de roteiros e suas aplicações no meio digital, e sobre formas de aplicação de criações digitais em diferentes plataformas, como televisão, mídias sociais e Youtube.

Oficinas sobre tecnologia e uma Hackathon
Também nos dias 13 e 14, o SENAI Laranjeiras vai ser o ponto de encontro para o público ligado no mundo high-tech, com oficinas e palestras. Um dos encontros vai dar a oportunidade a programadores iniciantes e modeladores 3D de se aproximarem de plataformas utilizadas no desenvolvimento de aplicações em realidade virtual.

Entre outras atividades, uma será focada no arduino, uma ferramenta de programação eletrônica voltada para o desenvolvimento de projetos de automação em hardware.
Em paralelo às oficinas, o SESI Cultura Digital também vai promover uma Hackathon, competição em que grupos, entre três e cinco pessoas, são desafiados a encontrarem soluções digitais para um determinado assunto.

Na edição deste ano da maratona hacker, os participantes devem desenvolver produtos, fazendo uso das realidades virtual e/ou aumentada, para poderão ser usados em treinamento e capacitação profissional.

Os competidores vão contar com o auxílio de profissionais, que vão realizar mentorias sobre utilização de técnicas, softwares e ferramentas no desenvolvimento de programas. No sábado, dia 15, a apresentação dos projetos será realizada no Teatro SESI, no Centro, mesmo dia em que serão anunciados os primeiros colocados. O grupo vencedor vai receber um prêmio no valor de R$ 8 mil, o segundo colocado ganha R$ 4 mil e o terceiro, uma bolsa de estudos em curso do SENAI para cada participante.

A programação completa do SESI Cultura Digital, assim como os formulários para inscrição nas atividades, estão disponíveis no site www.firjan.com.br/sesiculturadigital

Designer Miriam Löllmann faz estréia na IDA 2016

IMG_1149O Studio Miriam Löllmann, leva o nome da designer que nasceu em Berlim e escolheu o Rio de Janeiro para viver. Suas criações autorais trabalham sensações em materiais como pedras, metal, concreto. Mesas, objetos, obras de arte, peças únicas trabalhadas artesanalmente pela designer.

“Levo no mínimo três dias para fazer uma peça, mas cada uma tem a sua história, passo muito tempo moldando, trabalhando os materiais. Crio uma relação íntima com cada peça”, contou Miriam.

Para criar seus trabalhos sensoriais, a escolha dos materiais é muito importante. “As pedras trazem texturas, o concreto em contraste com o aço nos remete a sensações diferentes. Os materiais e as formas são importantes para trazer essas sensações para quem busca meu trabalho. Por isso também não divulgo o Studio com textos, fotos… prefiro que quem conhecer passe suas próprias experiências para quem desejar compartilhar”, explicou a designer.

Nova versão da cadeira Lina é relançada na IDA 2016

Captura de Tela 2016-10-02 às 17.51.59Quem visitou o stand do Sistema FIRJAN pôde conferir em primeira mão uma nova versão da Poltrona Lina. A peça é uma reinterpretação brasileira das poltronas com estrutura tubular de metal que começaram a ser desenvolvidas na Bauhaus e se tornaram ícones do design.

Com intuito de “aquecer e abrasileirar” essa tipologia de produto, a madeira foi introduzida como parte da estrutura. O metal continuou sendo utilizado nas conexões para reforçar os pontos mais frágeis, simplificar a produção em série, facilitar a manutenção e contribuir para uma estrutura visualmente leve, porém, sólida.

Para o assento e o encosto foram utilizados o couro e linhão estofado com plumas. Dessa forma, obteve-se uma poltrona que se destaca pelo conforto, pela elegante combinação de materiais e pela minuciosa atenção aos detalhes.

O projeto da cadeira é do estúdio de design Fantástico Studio Di Design, de Leonardo e Fernanda Mangiavacchi, e executado pela empresa Elon Móveis.

“Ela entrou no mercado ano passado, com a primeira versão com materiais exuberantes: madeira nobre Frejó, couro de sola natural, costura artesanal, linha… Então, além do projeto ser muito bonito os materiais também chamavam muita atenção. Então para alguns críticos, ela acabou se tornando demais”, conta Rogério Noel da Elon Móveis.

“A gente aproveitou a oportunidade de estar junto com a FIRJAN na IDA e preparamos uma versão especial. Tiramos todos os materiais que chamavam atenção e trocamos por materiais, também nobres, mas de uma cor única, preto”. A nova versão do móvel foi fabricada em couro e frejó preto, para dar destaque ao desenho.

“A proposta da da Elon é reproduzir móveis de desenho autoral como o do Fantástico Studio di Design. Democratizando móvel autoral. Essa é uma versão inédita, toda preta, e a gente chamou de MONO, de monotemática. Então ficou LINA MONO. A princípio vai ter uma série limitadas de 10 peças e depois vamos repensar se vamos continuar com a versão toda preta”.

Para saber mais, acesse:
– elondesign.com.br
– facebook.com/elondesign
– instagram.com/elonmoveisdesign

Design carioca da OBJ

Os designers Luciana Duque e Maurício Athié se conheceram no IED – Instituto Europeo di Design e em janeiro deste ano, criaram a OBJ para produzir, além de suas criações, trabalhos de outros profissionais.

“Das sobras nascem algumas das peças apresentadas na ida 2016, trazendo o metal como matéria-prima principal e o aço carbono na sua forma mais pura, sem tratamento, sem pintura, apenas protegido com resina, reduzindo o contato com o oxigênio, e consequentemente sua oxidação”, contou Luciana. As peças são produzidas em metal, madeira, couro e vidro.

Para fazer uma homenagem à Cidade Maravilhosa, a OBJ apresenta também na IDA 2016 o Bar Copacabana, que faz parte da coleção “Calçadas brasileiras”, um trabalho feito com corte a laser dos desenhos estampados nos calçadões de pedra portuguesa espalhados pelo Brasil.

SG2_9797 SERGIO GREIF 28set2016IMG_1319

Peças de Vergara e Gustavo Di Menno iluminam stand da Dimlux

SG2_9787 SERGIO GREIF 28set2016A marca de iluminação Dimlux, criada em 1996 pelo designer Gustavo Di Menno vem crescendo, inclusive com a abertura de lojas próprias no Rio e em São Paulo. A marca importa e cria luminárias exclusivas e limitadas, assim como assina projetos de iluminação. O último deles, inclusive, foi o do Arte Clube Jacarandá, que assina as palestras da ArtRio 2016.

A marca comemora 20 anos com sua primeira participação na IDA – Feira de Design do Rio. Para o evento, a marca trouxe linhas do Studio Gustavo Di Menno. A linha Infinito, criada pelo fundador da marca, trabalha com linhas retas, minimalistas, em cobre e latão.

Outro destaque é uma linha de luminárias assinada pelo artista Carlos Vergara, que mostra uma nova faceta criativa na IDA.

A madeira como protagonista na obra de Hugo França

SG2_9779 SERGIO GREIF 28set2016A história do designer Hugo França com a madeira começa há cerca três décadas quando mudou-se para Trancoso, na Bahia, e descobriu o pequi-vinagreiro – árvore comum na Mata Atlântica baiana, mas pouco útil na marcenaria usual por ser muito irregular.

Desde então cria peças únicas produzidas com resíduos florestais – nunca derruba uma
Árvore para produzir uma peça – e tem sueus trabalhos icônicos em coleções particulares, como a do Inhotim, além de ter seu trabalho apresentado em instituições como o MAD Museum, em Nova York, e o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.

Nesta edição da IDA o atelier do designer apresenta trabalhos escolhidos por ele mesmo, com tamanhos menores do que as que vemos em mobiliários urbanos, por exemplo, para que o público veja que é também possível ter suas peças em espaços internos. Uma das novidades no trabalho de Hugo França é a linha negra, produzida com madeira baraúna.

Entre e aprecie a Mi Casa

SG2_9781 SERGIO GREIF 28set2016Uma das novidades da terceira edição da Feira de Design do Rio é o stand da Micasa, que participa pela primeira vez do evento. Espaço de design, arquitetura e arte localizado nos Jardins, em São Paulo, a galeria trouxe para a IDA 2016 uma seleção de Pop Art dos anos 1960 e além de desdobramentos contemporâneos de artistas brasileiros e internacionais.

O destaque são as mensagens em neon, algumas das peças mais fotografadas pelos visitantes do evento e uma peça que lembra um maço de cigarro, mas faz alusão ao artista pop Andy Warhol. Além do mobiliário criado pelo Estúdio 20.87, a galeria apresenta peças numeradas e limitadas, inspiradas no movimento musical de Manchester dos anos 1980.

Para saber mais, acesse: http://micasa.com.br/home

Novidades do designer Ronald Sasson para a IDA 2016

SG2_9774 SERGIO GREIF 28set2016O designer Ronald Sasson participa pela terceira vez da Feira de Design do Rio e, desta vez, traz a coleção “Movimento 3″ com uma série de móveis inéditos. A linha, com design moderno, é uma edição limitada com apenas 10 peças de cada mobiliário.

Materiais como como a madeira, o latão e o couro são trabalhados artesanalmente na fábrica que fica na serra gaúcha. Destaque para o “Banco Kansai”, inspirado em cestos de bambu, feito em aço, revestido internamente com latão e externamente revestido em lâmina de Ipê.

“Uso da geometria simples com formas sinuosas no mobiliário que aqui exponho, empregando apenas dois elementos por peça, sempre com muita força nos detalhes, dando vida à cena que se torna única”, conta Ronald Sasson.

Nascido em 1967 em Curitiba, Ronald Sasson foi premiado internacionalmente com o German Design Award Nominee, A’Design Award Winner, o IF Design Award e nacionalmente com o IDEA Brasil – integrando o seleto time de finalistas do Museu da Casa Brasileira.

Design de pai para filho

SG2_9813 SERGIO GREIF 28set2016A Novo Ambiente trouxe para a terceira edição da IDA duas propostas bem diferentes e ao mesmo tempo tão próximas: a nova coleção de Zanini de Zanine e reedições de Zanine Caldas, filho e pai lado a lado.

A coleção de Zanini de Zanine é composta de cinco peças únicas e exclusivas em aço inox confeccionadas em parceria com a Mekal. A Poltrona Esqui, o Banco Trape, o Cabideiro Lança, a Mesa de Jantar Lapa e o Espelho Narci tem formas geométricas inspiradas em esculturas de artistas brasileiros.

SG2_9815 SERGIO GREIF 28set2016As reedições de móveis assinados por Zanine Caldas vêm sob o selo “Reedição Original – Zanine 50”, desta vez a marca traz 10 exemplares numerados das poltronas Kid e Cuca, trabalhadas em madeira Ipê de demolição.

Segundo a marca, o selo foi criado com o intuito de propagar a qualidade estética da obra do arquiteto, dando continuidade ao legado da fábrica Móveis Artísticos Z, fundada por ele nos anos 50. As peças reeditadas são consideradas ícones de estilo e design criados por Caldas, pioneiro no uso de madeira sustentável.

Sistema FIRJAN leva conteúdo e inovação para a IDA 2016

SG2_9717 SERGIO GREIF 28set2016Para divulgar o design e o potencial criativo da indústria fluminense, o Sistema FIRJAN é apoiador da IDA – Feira de Design do Rio, evento em paralelo à ArtRio. Em seu stand, no Armazém 4 do Pier Mauá, estão reunidas peças assinadas, produzidas a partir da convergência entre designers e industriais. No espaço, a Federação ainda divulga os projetos desenvolvidos pelo SENAI para o segmento.

Além disso, a entidade levou conteúdo sobre o tema, com a palestra “Produzindo a identidade do Rio – histórias de produtos inovadores”, com a moderação do gerente do programa Indústria Criativa do Sistema FIRJAN, Gabriel Pinto, e a participação dos empresários Jacqueline de Biase (Salinas), Rogério Noel (Elon Móveis) e Carla Pinheiro (Arte Leve).

Convergência entre a indústria e os talentos criativos, a indústria criativa usa o conhecimento e a criatividade como principais recursos para agregar valor aos produtos e serviços, gerando diferenciação, inovação, oportunidades e novos negócios. Nessa nova economia, moda, panificação, construção civil, metal mecânico, alimentos, plástico e mobiliário ganham um novo olhar. É 100% indústria do Rio.

Para tornar a indústria clássica ainda mais criativa e aumentar a competitividade das empresas fluminense, o Sistema FIRJAN promove programas de desenvolvimento do design na indústria por meio de acesso a informações atualizadas sobre equipamentos industriais, acessórios, softwares, além de tendências de consumo e de produtos. Além disso, por meio do SESI, apoia as ações culturais e disseminadoras de tendências nos setores industriais.

Diante do desafio de estar sempre inovando, o Sistema FIRJAN desenvolve a Oficina SENAI Design, que em duas edições já teve a participação de 25 fábricas e 11 estúdios de design, no desenvolvimento de 43 novos produtos. Premiada em 2014 pelo IDEA Brasil, a oficina é uma das ações que tem como objetivo promover a vivência da cultura da inovação por meio do design como agente transformador da indústria. Este ano, o projeto foi escolhido para participar da BID16 – Bienal Ibero-americana de Design, representando o Brasil na categoria Diseño Integrales/Transversales.

No stand da Federação, também estão informações sobre os laboratórios de tecnologia para desenvolvimento da inovação e do design – como o FabLaB – e sobre cursos do SENAI para os setores da moda, audiovisual e metal mecânico, entre outros.

Ali, o público também tem contato uma reinterpretação nacional da Poltrona Lina, com o uso de madeira como parte da estrutura. A peça foi desenvolvida pelo Fantastico Studio di Design para a Elon Móveis de Design, do grupo Show Móveis. O mesmo estúdio também desenvolveu o Sofá Proa – união da madeira e corda náutica – para a fábrica Vimoso. Já a parceria entre o designer Gustavo Bittencourt e empresa Vem da Serra resultou na Mesa Quadrilátero. Inspirada na geometria, o móvel foi criado a partir da combinação de três quadriláteros: o retângulo, o quadrado e o trapézio.

Tradição e contemporaneidade nas peças de Maneco Quinderé

IMG_0931Um dos light designers mais reconhecidos do Brasil, Maneco Quinderé participa por mais uma edição da IDA – Feira de Design do Rio. Na terceira edição do evento, ele vai exibir uma linha que mistura cerâmica com LED.

A série tem edição limitada com apenas 35 peças de cada modelo que nunca são idênticos por se tratarem de peças artesanais. A linha, desenvolvida em parceria com Um artesão de Nova Friburgo, tem peças de cerâmica que trazem o artesanal de uma forma contemporânea, com linhas minimalistas trabalhadas com metais como latão, cobre e aço inox.

“Sempre gostei desse material (a cerâmica) e após uma pesquisa, descobri o trabalho de ceramistas contemporâneos brasileiros de alta qualidade e, com isso, pude desenvolver peças de formas simples e minimalistas. Uso um tipo de trabalho milenar sem deixar as peças datadas, com referências Bauhaus e contemporâneas”, explica.

Joia Brasil na Feira de Design do Rio

fleishman_strip_64811_0_webExposição mais importante da joalheria nacional, o Joia Brasil, realizado pela curadora Anna Clara Tenenbaum (ex Herrmann), estreou em 2002 e vai realizar sua 17a edição de 29 de setembro a 2 de outubro na IDA, Feira de Design do Rio, no Armazém 4 do Pier Mauá.

O Joia Brasil tem o design como elemento fundamental nos conceitos moda, beleza, arte, negócios e a cada edição avança no sentido de fortalecer essa filosofia. Essa será a primeira edição com venda das peças durante a mostra. Essa evolução de exposição para feira aconteceu de maneira natural, como um pedido do público visitante.

Os joalheiros irão apresentar coleções temáticas criadas especialmente para as 11 vitrines do evento. Os participantes são A. Costa Atelier, Atelier Mourão, Carla Buaiz, Cris Porto, Francisca Bastos, Gabi Niskier, Yara Figueredo , Isabella Escudero, Lucia Lima, Mercedes Herrera, Nelusha Araújo, KRM de Katia e Rafaela Muguet e VOA.

IED participa da IDA 2016

1381427_681840841834004_1984474258_nLocalizado na Urca, o IED – Istituto Europeo di Design participa da IDA – Feira de Design do Rio, que abre a partir de 28 de setembro de 2016 para convidados, e do dia seguinte para o público, no Píer Mauá.

Seu estande na feira terá uma estrutura contemporânea resultante de um método construtivo de cenografia crua, que prevê, para a construção de espaços temporários, o uso de materiais com o mínimo de interferência possível em seu estado natural ou em seu estado original de fábrica.

Todo o material utilizado permanecerá intacto, com o mínimo de intervenção possível para que seja doado posteriormente para a construção de outros espaços ou mobiliários de maior duração. Idealizado por Marco Zanini, o projeto de cenografia foi realizado por Suzane Queiroz, ambos designers do IED.

Além disso, o instituto programou quatro mesas-redondas, que serão realizadas no Auditório do Armazém 4, com profissionais conceituados. Os temas são: “Formação em Design”, “Criação”, “Arte, Artesanato e Design”, e “Design Efêmero”.

Sistema FIRJAN e a Indústria Criativa

J-426-16 Imagem_reportagem_CASA_ArtRioEste ano, as palestras da IDA/ArtRio 2016 vão abordar o valor da economia criativa para o Estado do Rio de Janeiro. Para falar mais sobre o assunto, conversamos com Gabriel Pinto, Gerente de Indústria Criativa, sobre as ações do Sistema FIRJAN no setor.

– Por que investir em indústria criativa?

União entre indústria e os talentos criativos, a Indústria Criativa usa o conhecimento e a criatividade como principais recursos produtivos. Seus bens e serviços criam significados, oferecem experiências, despertam emoções e geram desejos. E isso significa mais diferenciação e competitividade para a indústria, uma vez que os profissionais criativos agregam valor a produtos tão diferentes como automóveis, cadeiras, fechaduras e turbinas de avião.

A Indústria Criativa está presente em diversos setores econômicos e com forte presença no estado do Rio de Janeiro. Os profissionais da Indústria Criativa possuem perfil, linguagem e atitudes próprias. Eles não são apenas talentosos, se qualificam e se tornam especialistas, criando impacto positivo nas empresas de todos os setores econômicos.

– Por que o Sistema FIRJAN apoia a ArtRio e IDA – Feira de Design do Rio?

O Design é uma atividade criativa cujo propósito é estabelecer um conjunto multifacetado de qualidades nos objetos, processos, serviços e sistemas na totalidade do seu ciclo de vida. O design cria, transforma, customiza, requalifica objetos através de novas formas,cores, funcionalidades. Desperta desejo, identifica necessidades, resolve problemas. Para consumidores cada vez mais movidos por preferências individuais de gostos e estilos de vida, o design é capaz de transformar atividades rotineiras, como tomar café, dirigir ou se vestir em experiências únicas.

Quando inserido ao processo produtivo, resulta em bens e serviços com forte componente simbólico, originalidade e alto valor agregado. De fato o design é o segmento mais transversal e multidisciplinar dos segmentos criativos e está presente, direta ou indiretamente, na Moda, Arquitetura, TICs, Mídias, Audiovisual, Artes, entre outros.

O design é o mais transversal de todos os setores criativos, com aplicações em diversos campos e indústrias, das clássicas às criativas. Abrange desde o desenvolvimento de produtos, peças gráficas, interfaces digitais, até o design de moda. Alguns campos são orientados para a solução de problemas e melhoria da qualidade de vida como o eco design e o design universal. O branding gera valor a partir da marca, ativo intangível de grande diferenciação e importância.

Já o design thinking foca na empatia, colaboração e experimentação como forma de pensar e encarar problemas, propondo um novo olhar que coloca as pessoas no centro do desenvolvimento de um projeto para gerar resultados desejáveis, possíveis e viáveis.

Não à toa, países como Coreia do Sul e China estão reorientando sua estratégia de competitividade industrial para a integração do design com outros setores da economia, de forma aumentar o valor agregado de seus produtos e conquistar mercados. As indústrias nestes países adotam o design in house para alcançar produtos geradores de propriedade intelectual, inovadores e desejáveis. Em Seul, capital da Coreia, políticas públicas são pensadas a partir do design, que integra o currículo de escolas do ensino básico.

– O que o Sistema FIRJAN vem fazendo para o desenvolvimento da Indústria Criativa?

O Sistema FIRJAN desenvolve projetos e ações para com foco no desenvolvimento da Indústria Criativa por meio das suas diferentes organizações, cada uma com suas competências distintas. Através do SENAI, temos uma rede de unidades dedicadas à formação técnica para indústria criativa, como o SENAI Espaço da Moda, em Nova Friburgo, por exemplo.

Entre outros, a Oficina SENAI Design une designers e indústria para o desenvolvimento de novos produtos. Pelo SESI, desenvolvemos projetos próprios ou apoiamos parcerias bem sucedidas que possam contribuir para transformar a sociedade através da criatividade, como a ArtRio, por exemplo. A FIRJAN também promove estudos para contribuir na construção de um ambiente de negócios favorável ao desenvolvimento da Indústria Criativa. Nesse caso destaco o Mapeamento da Indústria Criativa, estudo de referência nacional e internacional no tema.

Participe das palestras da IDA 2016

dhani-b_9660A terceira edição da IDA terá um Ciclo de Palestras no Auditório do Armazém 4, em parceria com o IED – Istituto Europeo di Design, FIRJAN e SEBRAE. A entrada é gratuita para os visitantes da Feira de Design do Rio, não sendo necessário uma inscrição prévia. O auditório é sujeito à lotação.Veja a programação:

Quinta-feira, 29 de setembro

17h Produzindo a identidade do Rio: histórias de produtos inovadores.
Tema: Indústria Criativa
Participantes: : Jacqueline de Biase; Salinas | Rogério Noel; Empresa Elon Móveis | Carla Pinheiro; Empresa Arte Leve.
Moderador: Gabriel Pinto (Gerente do Programa Indústria Criativa)

18h Formação: a formação em design ‐ ontem e hoje
Participantes: Fabio Palma (IED), Claudio Magalhães (PUC) e Zoy Anastassakis (Esdi)
Mediador: Gabriela Agustine (OLABI)

Sexta-feira, 30 de setembro

18h Criação: Processos criativos: pontos de convergência e divergência
Participantes: Ricardo Graham (oebanista.com.br) e Felipe Rangel (Estudio Baobá)
Mediador: Ricardo Peruchi (IED)

Sábado, 01 de outubro

14h Produção: Fronteiras entre design, artesanato e arte
Participantes: Rosane Rosa (Rede Asta) e Heliana Marinho (CRAB)
Mediador: Tulio Mariante (Novo Desenho)

18h Design efêmero: cenografia, tecnologia e interação
Participantes: Suzane Queiroz (pandega cenografia) e Ana Monte (Ydreams) Mediador: Flavia Mandonça (IED)

Domingo, 02 de outubro

16h Palestra CRAB/SEBRAE
Fronteiras entre design, artesanato e arte

Palestrante: Adélia Borges

Abertura da exposição de José Zanine Caldas

53a3ddf7b225712601da351f64f7ba1fNeste sábado, dia 17 de setembro, às 19h, acontece a abertura de uma mostra individual de José Zanine Caldas, na Escola de Artes Zanine, no centro de Búzios, na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro. O traço do baiano José Zanine Caldas, paisagista, maquetista, escultor, designer de móveis e arquiteto autodidata, poderá ser conhecido através desta exposição que apresenta parte do acervo do mestre da madeira na Escola de Arte que leva o seu nome.

O filho Zanini de Zanine e os galeristas Alberto Vicente e Marcelo Vasconcellos são os curadores da mostra que reúne parte do que foi mostrado em 1989 no Museu do Louvre em Paris. Entre as peças selecionadas estão maquetes e fotos de alguns de seus trabalhos arquitetônicos que ultrapassaram dos 500, móveis maciços dos anos 70 e 80 e industriais dos anos 50, além de moldes e croquis originais. Destaque para os depoimentos de Tom Jobim, Sergio Bernardes e Oscar Niemeyer.

“Tudo começou em 2001, com a encomenda de um projeto para concentrar a venda do artesanato produzido na região por, Antônio Marangoni”, conta Zanini. A obra com 300m²de área construída no centro da cidade, possui a elegância da simplicidade, como em todas as construções de José Zanine Caldas, que explorava as potencialidades construtivas e as qualidades plásticas das madeiras brasileiras, onde os espaços são amplos e a luz natural é sempre privilegiada, adaptando ao local e integrando-a à natureza.

“A vida de meu pai se confunde com a história do mobiliário e da arquitetura de nosso país, sua obra é bela, simples e funcional, é arte”, afirma o designer e filho Zanini de Zanine.

Falta 1 mês para a #IDA2016

falta 1 mêsA IDA – Feira de Design do Rio vai reunir no Armazém 4 do Píer Mauá, entre os dias 28 de setembro e 02 de outubro, designers e galerias que mais se destacam na cena atual. Todas as peças selecionadas para participar da IDA seguem o critério de serem únicas ou de série limitada.

Entre as galerias e escritórios de design que já confirmaram participação na IDA 2016 estão: Associação Brasileira dos produtores de Mogno Africano, Atelier Hugo França, Bolsa de Arte, Dimlux, Espaço 670, Galeria da Vila, Jardim Secreto, Maneco Quinderé, Mercado Moderno, Novo Ambiente, Pé Palito Móveis Vintage e Studio LM.

Pelo segundo ano, o Joia Brasil, realizado por Anna Clara Hermann, acontecerá dentro da IDA. O evento valoriza o design de joias e reúne nomes consagrados com trabalhos inovadores. Também está confirmada a presença da Editora Olhares, especializada em livros de design, que participa por mais um ano da Feira de Design do Rio.

Todas as criações apresentadas na IDA revelam, além de suas funções utilitárias, o traço marcante de seus autores, a utilização de materiais diferenciados e um processo de desenvolvimento onde cada peça e matéria prima são definidas não apenas pelo senso estético mas por sua relevância dentro do projeto como um todo.

A IDA acontece no Rio de Janeiro no mesmo período em que a ArtRio, fomentando um calendário artístico e cultural com importante eventos e ações ligadas à Arte.

Projeto 2: Paulo Alves + Hugo França

Os designers Hugo França e Paulo Alves uniram-se para criar uma série de peças únicas feitas com madeira. A nasceu de um convite feito por Paulo à Hugo para que, a quatro mãos, pudessem desafiar a criatividade, trazendo formas inovadores e perspectivas intrigantes ao mobiliário tradicional. Esculpidas em madeiras como pequi, garapeira, roxinho, ipê e outras matérias-primas, os designers criam uma coleção inédita e limitada de peças que mesclam a geometria da marcenaria às formas orgânicas da madeira.

“Esse projeto é só um pretexto para trabalhar com um amigo. Hugo França tem um trabalho incrível, admirado e reconhecido internacionalmente. Cruzamos nossas características para criar desenhos únicos que, certamente, nenhum dos dois faria sozinho”, explicou Paulo Alves.

A exposição especial vai até o dia 20 de agosto em dois lugares diferentes: no ateliê de Hugo na Vila Olímpia e também no Estudio Paulo Alves na Vila Madalena, ambos em São Paulo. Clique nas fotos para ampliar as imagens.

Mobiliário infantil assinado no MCB

14183925_1181629331857878_6443352775900703708_nO Museu da Casa Brasileira (São Paulo) apresenta, de 13 de agosto a 18 de outubro, a Exposição DESIGN MIRIM. A mostra apresenta cerca de 100 itens originais do equipamento doméstico destinados às crianças do período de 1920 até 1970.

As peças são mostram um recorte da coleção de Sergio Campos, que também assina a curadoria da coletiva. As peças eram feitas na intenção de apresentar o mundo dos adultos às crianças, como um prólogo à maturidade.

Mini cadeiras e mini poltronas concebidas à semelhança de suas correspondentes para adultos são o destaque da mostra. Boa parte delas foi criada e produzida por proeminentes representantes do design moderno brasileiro, como José Zanine Caldas, Abraham Palatnik, Lina Bo Bardi, Carlo Hauner, Moveis Cimo, Moveis Patente, Liceu de Artes e Ofícios etc.

O MCB fica na Avenida B. Faria Lima, 2705 – São Paulo. Funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 18h. Ingressos: R$ 7. Meia-entrada: R$ 3,50. Gratuito aos sábados, domingos e feriados. Maiores de 60 anos e crianças até 10 anos não pagam.

Mahog Project leva mogno africano para a IDA 2016

MAR_7804Grandes nomes do design contemporâneo terão o mogno africano como a matéria-prima de suas peças. Estes trabalhos estarão expostos na IDA 2016 no stand da Associação Brasileira dos Produtores de Mogno Africano, que por mais um ano participa do evento.

Juntos no coletivo batizado de MAHOG PROJECT, estão os designers Zanini de Zanine, Paulo Alves, Juliana Vasconcellos e Matheus Barreto, Heloísa Crocco, Maurício Azeredo, Giorgio Bonaguro, Raco De Luca, Thiago Barros, Armarinhos Teixeira e Hermes Marcenaria.

Os artistas abraçaram a ideia de trabalhar com esta madeira e criaram livremente peças exclusivas para o projeto, além de uma obra inédita assinada por Zanini de Zanine e Paulo Alves. A primeira experiência do grupo será uma intervenção (site-specific) no galpão da IDA, no Armazém 4 do Píer Mauá.

O objetivo do projeto é de transformar espaços pelo mundo, aliando práticas artísticas, o mogno africano, e a integração entre todos os envolvidos. Com uma cor avermelhada, combinação de densidade média e facilidade para ser trabalhada fizeram desta madeira a matéria-prima para a fabricação de móveis e para o uso na construção, como portas, janelas e pisos.

No Brasil, graças a iniciativa de pesquisadores e empreendedores, em sua grande maioria membros da ABPMA, ao longo das últimas décadas e em especial nos últimos anos, se viabilizou o cultivo comercial do mogno africano, enquanto madeira nobre para substituição do Mogno Brasileiro. Sua Madeira atende a uma grande gama de usos, reduzindo a pressão sobre as florestas nativas.

ida-2015-5

16:00 – Design e Tecnologia

Novos materiais e manufatura digital. Experimentação e possibilidades no desenho de mobiliário e objetos

Convidados
Jorge Lopes – prototipagem e manufatura digital
Bernardo Senna – criação com tecnologia
EM2 Design – experimentação com materiais
Matéria Brasil – materiais alternativos e inovadores